quarta-feira, 13 de abril de 2016

Escrever para mim é...



Escrever para mim é um complemento da minha alma, uma extensão do meu ser, a minha forma de eternizar meus pensamentos (tão viajantes) em palavras, é mais que um hobby, pois é prazeroso colocar em linhas o que minha mente me permitiu imaginar.

De palavra em palavra, vou escrevendo linhas e contemplando histórias que podem não ter acontecido na vida real, mas reinaram no mundo da imaginação. Minha imaginação que me permite usar essa criatividade para registrar histórias das mais diferentes formas.

Podem me levar tudo, mas não me roubem as palavras. E como imagens soltas pela mente, preciso de um papel, uma tela, uma forma de registar aquilo que meu mundo particular me permitiu sonhar. É assim que registro tudo antes que tudo se perca.

Sejam histórias pequenas, longas, com vários personagens, que falem somente de um só coração, felizes ou tristes, mas histórias que imagino e escrevo para completar minha felicidade. Posso ter tudo, mas se não pude escrever, nada terei.

Que eu continue escrevendo mesmo não sabendo me divulgar, mesmo não sendo lendo por milhares, mesmo não publicando como deveria, mesmo estando distante desse mundo por estar mais próxima do meu mundo.

Posso ter diversos trabalhos, viver em vários mundos, visitar muitos lugares, mas é com as palavras que renovo minhas energias para seguir com brilhos nos olhos, esperança na vida, fé que tudo valerá a pena.

Por isso, nesse 13 de abril, data do meu aniversário, apenas peço que eu nunca perca a gana de escrever, que minha transpiração nunca se esgote tampouco minha inspiração nunca me abandone.

De você, caro leitor, apenas peço que me leia sempre que puder. Acredite em mim, se sumo ou se me perco a culpa (ainda) são das palavras.


Mikaele Tavares

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Filme - Nocaute (Southpaw)

O filme Nocaute (Southpaw) pode até parecer como mais um clichê dos filmes sobre boxe. Talvez ele até seja em alguns momentos. Acontece que esse filme é diferente e vai te tocar quase da mesma forma que me tocou.

Nocaute conta a história do boxeador Billy Hope, vivido por Jake Gyllenhaal, e está invicto há 43 lutas. Tudo está perfeito em sua vida. Sua vida está indo bem no esporte, com a família e seu dinheiro. Sua fortaleza é sua esposa Maurreen (Rachel McAdams) e a sua filha de nove anos, Leila (Oona Laurence).

Depois de uma tragédia, com a morte da sua esposa, tudo na vida de Billy desmorona. Ele perde o cinturão, é banido do esporte, perde o carinho da filha e sua fortuna começa a ruir. Podemos até culpar Billy por suas atitudes egoístas e imaturas que o fizeram perder a guarda de Leila. Mas também não podemos julgá-lo sendo que ninguém pode afirmar como agiria em na situação dele.

Levando em consideração que é um filme americano, ao decorrer do drama ele tem uma segunda chance. Às vezes, a vida nos golpeia e somos nocauteados e ficamos no chão por um bom tempo. Não é fácil contra golpear e ficar em pé novamente. Talvez essa seja uma das lições do filme, mostrar que é preciso revidar os golpes que levamos na vida para voltar a vive-la com dignidade.

Como também encontramos pessoas que pode nos ajudar, Billy encontra no treinador Tick Wills (Forest Whitaker) uma forma de melhorar não só como lutador, mas também como ser humanos. Mudando aos poucos, é que ele percebe o quanto sua filha precisa dele e vice versa. Assim, começa o caminho da sua redenção.

A cena final é super aguardada e prende a atenção do espectador. Talvez o final não seja inédito para quem já está acostumado com filmes desse gênero. No entanto, a direção e a longa cena nos desperta várias emoções. Ainda assim, depois de prender a nossa respiração, o filme nos deixa aliviados.

A direção de Fuqua é bastante adequada para esse filme. Com movimentos adequados alternando com a câmara parada em outros. A atuação de Rachel McAdams é espetacular, visto que ela parece bem à vontade em uma personagem sexy e segura, diferente do usual das suas personagens. Destaque também para Oona Laurence, a pequena atriz conseguiu transmitir sua dor, sua aflição, sua raiva e sua alegria para fora da tela. A transformação e a interpretação de Jake Gyllenhaal merecem destaque e parece que o personagem foi feito para ele (parece que seria o cantor Eminem, mas ele desistiu). Jake consegue passar todas as emoções que o boxeador passar, sentimos sua dor, sua raiva, seu drama, sua vontade de superar e seus socos a cada cena.

Recomendo esse filme para ver que nem tudo é para sempre, tudo passa. Há tempos de vitórias e há tempos de derrotas. Sempre é possível se reinventar, se reerguer, ir além do que acreditamos. Ainda que um golpe de esquerda da vida nos acerte em cheio nos levando a nocaute, é possível se reerguer para mais um round.


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Para meu (ainda) amor


https://br.pinterest.com/pin/563653709590586738/

Ainda não me acostumei com a ideia de me chamar de ex. Não entendo bem esse lance de que acabou, e não somos mais nada mais, apenas ex. Assim como eu também sei que eu errei e não temos mais volta. Dói um pouco saber disso, confesso.

Sabe, comecei a ir à praia só para admirar o mar e agradecer um pouco mais a vida, deixei o controle da televisão de lado e assisti um ou outro programa até o fim, dirijo com música alta para evitar o barulho do trânsito e até passei a gostar de Nutella no café da manhã. Coisas simples que me fazem sentir perto de você.

Ainda queria te pedir desculpa por não entender seu jeito de ver a vida. É que foi muita informação para uma boba quase apaixonada. Digo quase apaixonada porque só percebi isso quando te perdi. Eu sei, é clichê. Mas, não posso fazer nada. Só descobri o seu valor no dia em que me disse adeus pessoalmente e não com uma mensagem, como quase eu fazia em um dia de raiva. Bobagem essas brigas quando o fim já está decretado.

A verdade é que eu queria está no brilho dos seus olhos, aquele brilho quando você fala das suas paixões. Paixões essas que só entendi depois também. Ah, é meio complicado entender que no seu coração há espaço para seus livros, filmes, seriados, bandas de rock, família, amigos e (antigamente) eu. Sou um pouco egoísta, ciumenta e burra por perder o cara com o sorriso mais lindo da cidade.

Não sei parar de ser clichê ultimamente, é que andei vendo aqueles filmes de comédia romântica que eu tanto insistia para vermos juntos, e você dizia que era tudo clichê. Mas, cada vez que assisto sinto um aperto no peito quando vejo a luta do galã para ficar com a mocinha. As lágrimas, de vez em quando, visitam essa durona aqui. Mas, acho que estou aprendendo a lição. Eu perdi meu herói.

Meu (ainda) amor, eu espero que um dia você me desculpe. Mesmo que isso não signifique que a gente volte a ficar juntos, me perdoe. Siga feliz e da maneira leve que sempre viu a vida. Não deixe que outra deslumbrada, como eu que não soube enxergar bem ao redor, te roube o brilho do olhar e a paixão pela vida. 

Seja feliz, meu amor.


segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

O novo sempre vem

Talvez o novo demore para acontecer ou talvez ele aconteça de modo rápido, mas ele sem vem. Talvez ele seja bom ou ruim, vai depender do seu momento. Assim como qualquer um, o novo assusta. Provoca um frio na barriga pela sua incerteza. Afinal, quem sabe o que podemos esperar?

Sair da zona do conforto não é para qualquer um. Às vezes, um simples ato pode definir nosso futuro ou, muitas vezes, a nossa disciplina e a nossa determinação nos levam para o caminho que tanto almejamos.

Por isso, que em 2016 você não tenha medo do novo e nem deixe no papel seus planos para esse novo ano. Como já diz, Ano Novo. Faça algo novo e não deixe que velhos hábitos ruins estraguem seus sonhos.

Assim, como o blog começa tudo novo. De novo. Um novo blog para você e com novos colunistas e novas histórias a serem contadas em Pensamentos Viajantes. E não esqueça: textos todas as segundas-feiras e/ou quintas-feiras.

Sejam bem-vindo 2016.




quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Eu te avisei e não fui a única

Eu te avisei. Ela não era mais uma na sua vida, ela é aquela que te marcaria de maneira inesquecível. Sempre foi ela e você sempre soube disso, apenas não quis ver.

De nada adiantou todos os conselhos que te falaram, você insistiu no erro. Agora, ela foi embora. De vez, para nunca mais voltar. E não adianta mentir dizendo que está surpreso, ela sempre te deu todos os sinais de que chegaria ao seu limite. As lágrimas não surgem por acaso, pois sempre há um motivo por trás e você era o principal motivo dela.

Eu te avisei.


Ela nunca gostou de barba, mas abriu uma exceção quando você a fez sorrir pela primeira vez. Você foi a exceção na vida dela, ainda que o coração dela não tivesse a intenção de ficar perdidamente por você. Por isso, ela nunca quis espaço, apenas que você demonstrasse o quanto ela era importante. O quanto ela significa pra você? Pois é, agora é um pouco tarde para falar, ela foi embora.

Eu te avisei.

Não sei te tudo ficará bem como você insiste em dizer a si mesmo sentando no chão enquanto ver o amor da sua vida partir. Na verdade, ela te deixou aos poucos e só você não viu. Ela foi embora quando deixou de se importar com você, quando desistiu das brigas, quando parou de lutar contra a dor e decidiu dar uma chance a si mesma ao invés de dar outra chance para vocês dois.

Eu te avisei.

Você não devia ter bancado o babaca e ser mais um que partiu o coração dela, pois você e todo mundo sabia que ela era especial. Diferente de todas as suas conquistas, ela era mais que uma paixonite. Um amor que só desejava ser amada de volta. E você só foi capaz de cumprir suas promessas depois que a conquistou. Não adianta chorar. Não mais.

Eu te avisei.

Eu não fui a única a te falar o quanto os olhos dela brilhavam cada vez que te via. Uma pena que você só a viu como mais uma conquista e só agora percebe que ela já fazia parte sua. Por mais clichê que seja, é verdade quando dizem que só valorizamos quando perdemos. O que você fez? Ou melhor, não fez.

Eu te avisei.

Você não devia ter medo de se entregar ao amor. Ela soube te amar e tudo que queria era sua reciprocidade. Apesar de todos os seus medos e traumas, ela mergulhou de corpo e alma na história de vocês. Ela não queria alguém perfeito como ela lê nos livros, ela só queria que você fosse perfeito pra ela. Mas, você não soube deixar de lado seu passado macabro. E você a perdeu. Talvez não tenha mais tempo de reconquistá-la. Está nas suas mãos lutar pelo seu grande amor ou ficar chorando pelos erros do passo em vez de escrever um novo presente.

Eu te avisei. Mais de uma vez. E não fui a única.

Mikaele Tavares

Esse texto foi escrito baseado na música I told you so de Kathryn Dean
Espero que tenham gostado.




terça-feira, 8 de setembro de 2015

Eu decidi ficar com você

“Fica comigo, então. Não me abandona não. Alguém te perguntou como é que foi seu dia?” ele usou a música de Charlie Brown Jr para pedir um pouco da minha atenção.

Eu queria dizer que queria ficar, mesmo com todos desejando que eu fosse embora. O problema é que nunca fui muita boa em expressar meus sentimentos, ele entende.

Ele também não sabia se seguiria o meu tão sonhado destino. Por isso, segurou minhas mãos, que assim como as dele, ainda estavam suadas diante do nosso nervosismo. Era uma forma de dizer que encontraríamos nossos caminhos, apesar de tudo.

Ninguém é capaz de ditar as regras em relação ao sentimento dos outros, assim optei por parar de ouvir os conselhos alheios disfarçados de julgamentos por pessoas que não tem criatividade em relação a própria vida.

Ele compreendeu e me mostrou a arte sublime de ler nas entrelinhas, que é belo e singelo do que a objetividade fria da vida dos engravatados. Eu sempre dou risadas ao lembrar-me deste dia. Foi tão puro encontrar a alegria em mim novamente como uma criança.



Uma nova ótica que foi colocada sobre meu olhar sobre a vida que me deixou ainda mais confusa, mas decidida a seguir com meus sonhos. Sonhos que não se encaixam nas regras da sociedade, que insiste em seguir um padrão comportamental para todos. Como se todos fossem iguais.

Certa de algumas convicções e incerta sobre o futuro, eu optei por insistir na minha caminhada junto a ele, que livremente escolheu estar ao meu lado.

Talvez eu fosse assim como ele, apenas não soubesse ainda falar em forma de música. Então nada disse, apenas permaneci em seu abraço até a chegada da noite. O silêncio dos dois perfeitamente compreendidos. Quem sabe, nós dois pudéssemos encontrar uma melodia que nos completasse. Sem muita pretensão, apenas com vontade de amar. Mesmo sem saber direito como expressar o amor...

Mikaele Tavares

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Acorda pra vida

Vai lá garota, levanta dessa cama. Abra a janela e olha quanta vida há lá fora.

Não espere ter a vida perfeita para começar a viver. Será que você ainda não entendeu o quanto é preciso viver em vez de esperar?

Sonhar é ótimo. Sonhos são a combustão da alma, são eles que nos impulsionam na vida. No entanto, só ficar no sonho não rola, né? Afinal, qual foi a última vez que você realizou algo que planejou? Lembra? Aquela sensação não foi ótima?

Por isso, não espere o amanhã, alguém chegar, ficar rica ou qualquer coisa que seja para fazer algo que você almeja muito. Só há um alguém que pode te impedir de fazer isso, VOCÊ mesma.

Então, haja como o sapinho daquela historinha e não dê ouvido para o que os outros pensam e siga seus sonhos. Também a cale a voz interior da procrastinação e espante tudo de ruim em si.

E quando tudo parecer errado, engula o choro, suporte a dor e continue. Continue com seu sonho, sua meta, seu desejo, ou seja lá como você o chama. Apenas, continue. Mesmo que tudo esteja contra você, continue. Pense que se desistir, talvez faltasse só mais um pouquinho do caminho para chegar.

Ah, e depois que realizar um sonho, eu peço que continue a realizar os outros. Não pare de viver a realidade tão sonhada.

Por isso, saia da cama e faça algo já. Agora.

Mikaele Tavares